19.9.17

O anti-táxi



Apareceu quando não era preciso…


GRÃO VASCO

17.9.17

Paranóia na blogosfera vermelha



No mundo Benfiquista actual, a autoanálise serena e a autocrítica ponderada têm sido progressivamente substituídas por uma incompreensível autoflagelação e mais grave ainda, por uma autofagia suicida.

É um fenómeno inexplicável e tem vindo a aumentar cada vez mais, sempre que o Benfica ganha mais um título. E não me refiro exclusivamente ao futebol. Já no basquetebol e no voleibol se passa algo semelhante. Por mais paradoxal que possa parecer, no andebol e no futsal, onde os resultados apresentados têm sido de qualidade muitíssimo inferior ou mesmo medíocres, é que não se ouve a chinfrineira que começa na CS e acaba despudoradamente na blogosfera dita afecta ao Glorioso. A única excepção, por agora, é o hóquei-em-patins que tem passado incólume a todo o tipo de diatribes, talvez pelo facto dos roubos e das tentativas, algumas concretizadas, de o derrubarem, serem por demais evidentes. O episódio escandaloso, único na história do hóquei patinado indígena, da validação e posterior anulação de um golo que nos daria mais um título foi tão flagrante que ninguém se atreve a beliscar a equipa comandada por Pedro Nunes.

Ao que parece, será necessário uma hecatombe no futebol do Benfica para que esta corja de detractores e luminárias de pacotilha tome consciência de que o constante massacre de maledicência, insultos, de crítica fácil e avulsa, de suspeição e especulação acabe.
Esta situação assemelha-se a um furacão que ganhando força no oceano arrasa tudo e todos indistintamente, por tudo e por nada e que depois, atingindo terra, se esfuma e desaparece num instante. Possìvelmente, esta gentalha que lamentavelmente abunda e chafurda dentro de portas, mereceria que o Benfica descesse à 4ª divisão para então poder refastelar-se e dividir o espólio que de uma forma demente e inconsciente procuram, recorrendo a um sistemático e constante bombardeio, ao arrasar o Benfica, no seu todo – e digo no seu todo, porque desde o presidente LFV, passando pela direcção, departamentos de comunicação e médico, Benfica LAB, CTF do Seixal e demais sectores, tudo tem sido criminosamente posto em causa, devassado, devastado e injuriado após a derrota da equipa principal, ontem, no Bessa.

Muito influenciados por uma CS tendenciosamente anti-Benfica e por seus esbirros estrategicamente colocados em lugares-chave com ligação aos terroristas comunicacionais recentemente criados e pela guerra que foi declarada por estes e pela respectiva aliança espúria de portistas e sportinguistas ao Benfica, o bando de benfiqueiros néscios e desbragados têm sido mais inimigos que estes inimigos que se aliaram com a intenção de destruir o nosso Clube. E é triste observar alguns do bando, com responsabilidades históricas no Glorioso, a destilar inveja e ressaibiamentos para os blogues e outras redes. Uns chegaram há pouco tempo tentando preparar por esta via uma candidatura futura à presidência do Benfica – se por acaso forem convidados para um programa de culinária nas TV’s, lá estarão prontos a fazer mais umas tristes figurinhas apresentando um prato de bifanas mal passadas com coiratos à mistura, acompanhado de batatas fritas de pacote, rabanetes para dar cor e melhorar o empratamento. Outros, porque ainda não conseguiram o tacho tão desejado, e outros ainda porque as suas missões dentro do Clube foram consideradas terminadas e quereriam mamar ad eternum. É assim a fauna que pulula em redor do Glorioso e que aporta à blogosfera e outras redes. Uns trilhando o caminho da demência e da ignorância malhando em tudo o que mexe. Outros aproveitando-se desta escória inconsciente e posicionando-se para futuros assaltos e por fim, a populaça bêbeda e inebriada por um chorrilho indigesto de títulos que infelizmente lhe fez muito mal e se orienta por aquela tão badalada massificação da estupidez.
O adágio lá diz que “de contente te dói o dente”!

Se percorrermos blogues e afins, é fácil constatar que estes espaços estão repletos de muita garotada, muito imberbe e sobretudo de muitos analfabetos que nem escrever sabem, ignorantes na matéria em causa e sábios de aviário. Todo o bicho-careta percebe de futebol, dos seus aspectos técnico-tácticos, das suas finanças, de recursos humanos e no caso do Benfica tudo é dissecado através de dados viciados e que na maioria esmagadora das vezes é consequência de uma estratégia bem conseguida dos inimigos que fazendo-se passar por apoiantes do Glorioso vão minando e lançando a confusão entre uma cambada de azêmolas que recorrem a esses espaços transformando-os em vomitórios e fossas das suas frustrações e derrotas pessoais.
Tem sido um “fartar vilanagem”!

Como escrevi no início deste texto, a autoanálise e a autocrítica exigindo lucidez e ponderação são substituídas pela autoflagelação e autofagia. Para esta escumalha que não se enxerga, o autocanibalismo vai progredindo.
Que se comam a eles próprios e desapareçam.
O Benfica dispensa-os!


GRÃO VASCO


13.9.17

Ó Chico, vais escrever em turco?



Ó Chico,
Não cuspas para o ar!


GRÃO VASCO


Duas cornadas à Mallenco… e Benfica fora da Europa





Pamplona é célebre pelas suas largadas de touros nas festas de S. Fermín. Hemingway eternizou-as. Que me lembre, nunca apelidou nenhum desses bois selvagens de Undianos ou Mallencos. Se calhar todos estes espécimes, com estes nomes e com esta ferocidade são largados noutros sítios. Daí a sua involuntária omissão. Ontem, infelizmente, foi largado mais um desses Mallencos no Estádio da Luz. A besta cornúpeta, de grande calibre, andou à solta 90 minutos e caramba, quantos mais tempo houvesse mais colhidas faria. Foi mesmo uma razia, desde a rábula dos penaltys até ao desvio de um russo com o seu cotovelo à entrada da sua área de uma bola de livre chutada por Zivkovic a que a besta basca fechou completamente os olhos e assobiou para o ar.
A faena do Glorioso até estava a ser bem sucedida. Os jogadores do Benfica com paciência e inteligência lá iam conseguindo domar a besta.
No entanto, parece-me que a encomenda já estava feita. E que encomenda! Numa primeira oportunidade, ao menor descuido, o animal investiria com tudo! Aconteceu o previsto. Mallenco derrubou o Benfica com duas cornadas à falsa fé!
Não há coincidências. A postura da besta, logo no início do desafio e durante o mesmo, indiciou ao que vinha. Não é a primeira vez que isto acontece. Porquê, não sei. Nem consigo encontrar uma explicação cabal. Mas que acontece sempre com este animal, ai disso não tenho a mínima dúvida! Com este e com mais alguns outros – Brych em Turim no Benfica-Sevilha, Paolo Tagliavento num Benfica-Chelsea e Skomina em Londres num Chelsea-Benfica em 2011-2012 e ainda em vários outros, como por exemplo Viktor Kassai em S. Petersburgo quando empurrou o Zenit para o apuramento, tendo sido “atraiçoado” por Gaitán, Raúl Jiménez e Talisca nos minutos finais, ou o inglês Stephen Bennett e o eslovaco Lubos Michel nos jogos Benfica-Barcelona e Barcelona-Benfica em 2005-2006. Mas tem havido mais. No entanto, estes têm sido os roubos mais evidentes.
Os pasquins desportivos pouco falam da roubalheira de ontem. Como é habitual quando falam sobre o Benfica. O que importa é malhar. A Bola nem uma referência em condições na capa - uma linha, com letras a branco que quase nem se vêem chamando "desastrado" ao apitadeiro. No interior tudo muito soft em relação a um gatuno de alto quilate. O pasquim das petas lá aparece com umas letras pequeninas a falar de arbitragem e os filhos-da-puta do nojo vêm com umas queixas do Seferovic, mas sem afirmarem o que quer que seja relativamente ao roubo indecente ao Benfica que foi a prestação de Mallenco.

E assim foi.
De um claro potencial 2-0 passou-se para um 1-2 inacreditável!
A besta começou por fazer vista grossa a um escandaloso penalty sobre Seferovic cometido na grande área russa por um jogador do CSKA.
A partir deste momento o caldo começou a entornar à descarada. Contudo, Seferovic ainda colocou o Benfica em vantagem. Mas a besta continuou a marrar no vermelho e inacreditavelmente apontou com uma rapidez extrema para a marca de penalty por suposta mão de André Almeida. A sua determinação, tão rápida, deixou a entender muita coisa. Uma delas foi a clara premeditação e a intencionalidade do gesto para que não deixasse dúvidas a ninguém. Mallenco foi falso, manhoso, sacana, e com isso perturbou claramente a equipa do Benfica. Aqui, lá virão as alimárias benfiqueiras dizer que os jogadores do Benfica são profissionais e que teriam que manter a cabeça fria, o suficiente para dar continuidade ao jogo que lhes permitisse nova vantagem. Nada mais desonesto pensar-se assim.

Este basco é um filho-da-puta da pior espécie de apito na boca.
O seu cadastro em prejuízo do Benfica é dos mais asquerosos em todo o percurso do Benfica na Europa. Quando li que seria ele o árbitro, lembrei-me da escandaleira por si protagonizada em Lyon, onde um jogador do Benfica é expulso em cinco minutos por duas faltas, uma delas corriqueira e sem intenção. Ontem, o Benfica já estava a ser roubado indecentemente e Mallenco carregou-lhe ainda mais. O histórico deste bastardo do apito é, como já referi, medonho nos jogos do Benfica na Europa. Um gatuno encapotado que sempre que pode mete as duas manápulas no jogo para roubar o Benfica.
Ontem, mais uma vez não se enxergou e aí vai disto. Sem escrúpulos e com intenções claras.

É penoso assistirmos a um roubo de um ladrão encartado na nossa própria casa sem podermos fazer alguma coisa. Mas o que mais me custa constatar é outro bando de filhos-da-puta, neste caso online, que se dizem afectos ao Benfica e que estupidamente se atiram que nem cães às canelas dos jogadores e treinador do Benfica vomitando barbaridades sobre barbaridades.

Na própria BTV apareceu lá um chunga de um actorzito a dizer que o Benfica não perdeu por causa do árbitro, mas que foi prejudicado pelo mesmo.
Então em que ficamos?

O Benfica pode não ter feito a exibição que muitos estão sempre à espera e que exigem em modos canalhas, mas o certo é que fez mais do que suficiente para vencer o jogo.
Poder-me-ão dizer, conscientemente, que há razões para ficarmos preocupados. Concordo. Como me preocupa uma assistência de 38.323 espectadores num jogo internacional – que não tem nada que ver com Belenenses ou Portimonense - com muita gente a vir de fora da capital. Neste tipo de competição em que há poucos jogos para recuperar pontos e em que a disputa de qualquer desafio atinge na maioria das vezes um limite impensável, poderemos equacionar das verdadeiras chances que o Benfica terá, atendendo até que há notória quebra nos índices físicos e na forma de vários jogadores fundamentais na equipa, não esquecendo os lesionados. Com a agravante de no campeonato interno a situação ser sempre complicada, pois o rigor disciplinar não é comparável com aquele que se pratica na Champions, muito embora haja excepções como foi o caso de ontem de Mallenco que me fez lembrar o Carlos Calheiros das viagens da Cosmos ao Brasil pagas pelo grémio corrupto da fruta & do putêdo ou Isidoro Rodrigues, esse habilidoso e desgraçado apitadeiro.

O meu desejo é que o Benfica consiga entrar novamente nas contas da Europa, mas vejo o horizonte com muitas núvens de tempestade. Oxalá me engane redondamente. Infelizmente nem os próprios Benfiquistas protegem a equipa, o treinador e o Clube. Basta vermos o que corre na NET, nas redes sociais e blogues, na CS online e nas edições de papel dos pasquins da praça.

Mas que algo se passa com Mallenco quando arbitra os jogos do Benfica, não tenho dúvida nenhuma!
Mãozinhas de quem, não sei, mas isto é como as bruxas, “yo no creo em brujas, pero que las hay, las hay”!

Sigamos depressinha para o Bessa…


GRÃO VASCO


10.9.17

A obra-prima de André Almeida…



Lindo!...

GRÃO VASCO

9.9.17

“Chouriços Almeida” – uma marca de sucesso!



…E aquilo é que foi ganir no final do jogo na Luz com a vitória indiscutível do Benfica!

Desde o labrego anti-Benfiquista do Bítor Olibeira passando pelo escanzelado do cro-magnon chico marques da fruta até ao matraquilho desprezível do saraiva sem pescoço foi um fartar vilanagem!

Encavados pela excepcional qualidade do chouriço especialmente confeccionado pela empresa de enchidos “André Almeida” e servido aos 77' 46'' em bandeja de prata, com pompa e circunstância no ângulo superior direito da baliza grande da Luz, lá começaram a espernear quando começaram a senti-lo nos entrefolhos!

O chouriço chegou para todos e sobrou. Podem continuar a mamá-lo à sobremesa e oferecer um bocadinho ao azul e bronco do jorge andrade da RTP 3 Desporto, que nos seus comentários pós-jogo e durante um tempo infindo andou para lá a cagar e a tossir com a “intensidade” do claro empurrão do jogador portimonense que causou o penalty sobre o Salvio, e também ao rabugento do Cristóvão na SIC Notícias.

É que não há dúvida nenhuma. Os chouriços “André Almeida” fazem bem a todos estes tipos de peida!


GRÃO VASCO


7.9.17

Entretanto, no submundo da Palermo portuguesa...



O submundo do fruta corrupção & putêdo continua à solta e impune.
Como sabemos há muitos anos, há uma justiça e uma polícia na Palermo portuguesa diferentes daquelas que existem no resto do país.
No centro de estágio dos árbitros na Maia não se passou nada! Nos talhos de Manuel Mota e no restaurante do pai de Jorge Ferreira, não se passou nada! Ontem, no prédio onde vive Vasco Santos, pelos vistos, também nada se passou, a não ser uns sarrabiscos dos bronco-analfabetos e desdentados da Ribeira da Palermo portuguesa! Nas Casas do Benfica de Braga e de outros locais, a norte, tem sido o “ciclone das Caraíbas” o autor dos vandalismos, no antro da podridão fruteira fala-se em surdina de um fulano que foi encontrado todo nu com a pistola que o matou num dos bolsos falsos das suas cuecas invisíveis.
Tudo e todos fecham os olhos a este clima de intimidação e violência, de branqueamento e de impunidade.
O lagartêdo a sul e o fruta & putêdo a norte - com os seus representantes televisivos e radiofónicos, acolitados por uma escumalha de safardanas jornalísticos subsidiados por estes dois autênticos gangs do desporto indígena ligados a determinados lacaios comunicacionais desses grémios e que fazem do jornalismo desportivo uma imundície sem paralelo, mandando às malvas a ética e a deontologia, incitando ao ódio, inventando mentiras e insinuações, originando polémicas logo desmascaradas, só com o objectivo de criar um clima de hostilidade permanente contra o Benfica – têm de ser responsabilizados por esta bandalheira e pelo clima vergonhoso e criminoso que campeia, fomentado por essa bandidagem.

Órgãos federativos e liga de futebol não podem continuar de braços cruzados a assistir a este deplorável despautério. Os responsáveis destes actos ignóbeis estão identificados há muito tempo bem como uma pandilha de energúmenos intelectuais, pinas, inácios, serrões, guedes, aguiares, andrades, anões extra, pipas e outros rafeiros, juristas e demais fauna nas TV’s e nos jornais.
O jejum de títulos está a provocar um delírio colectivo e uma espiral de paranóia nunca antes vistos no desporto, especialmente no futebol.
Por isso, das duas uma. Ou as entidades responsáveis actuam ou um dia destes “a casa vem mesmo abaixo”!
E depois não venham lançar o odioso sobre o Benfica e os Benfiquistas, como o grémio corrupto da fruta veio agora dizer, após o comunicado bastante apelativo do Sport Lisboa e Benfica às autoridades competentes.
Quem tem lançado as pedras e escondido a mão têm sido sim e sempre, este bando de canalhas azuis e broncos e os seus capachos da cor-do-ranho a sul, que só conseguem viver desta forma.

Carrega Benfica!


GRÃO VASCO


6.9.17

Ó presidente, não me cuspa, faxabôr!



O espectáculo hilariante de mais de duas horas, proporcionado ontem à noite pela Lagartêdo TV é digno de um óscar de Hollywood.

Talvez não haja mais nenhuma oportunidade para assistir a um one man show como foi aquela rábula a solo, encenada pelo Belfodil d'Ornelas, um actor mitómano a raiar a paranóia, a quem um pequenino sacana da mesma côr, num qualquer tempo extra, no imediato e sem deixar acabar o respectivo programa, disse que tinha de se tratar. Não deixou de ser curioso observar dois fulanos da mesma estirpe tão reles, às marradas um ao outro e em simultâneo.

Portanto, quem não teve oportunidade de ver uma sucessão de cenas cómicas em que o pivot do programa, um tal de Mendonça, teve que ligar contínuamente os limpa pára-brisas dos seus óculos protegendo-se de uma saraivada torrencial de cuspe, não perca mais tempo, vá directamente ao YouTube, marque o endereço seguinte https://www.youtube.com/watch?v=THSJ9IWRMkk&t=994s e divirta-se!


GRÃO VASCO


28.8.17

Eliseu, a lambreta e o bombista!



Na pretérita madrugada tive um sonho.
Eliseu era o chefe de uma rede bombista e sabendo das minhas qualidades técnicas de especialista exímio na montagem de engenhos explosivos, contratou-me para confeccionar umas bombas especiais. Bombas selectivas carregadas de merda que actuam prioritariamente nas focinheiras daqueles bastardos do lagartêdo do fôsso e afins.

Eliseu, sorrindo, lá levou a primeira remessa de bombas nos malões laterais que mandou adaptar à famosa Lambreta do Tetra perguntando se o queria acompanhar nessa missão espinhosa de rebentar com aquele bando de filhos da puta da cor-do-ranho.
Aceitei, sugerindo-lhe que o restante stock fosse carregado no meu velho calhambeque onde guardava trintas e seis títulos nacionais, duas Champions, dois Rámon Carranza, um Teresa Herrera e mais umas não sei quantas taças e que a missão fosse alargada a outras áreas em que os abusos têm sido recorrentes, especialmente às “quintas” do Proença e do Fontelas.

Eliseu, estratega de outras lutas, disse-me que não era preciso. Para lá do fôsso, um atoleiro que mais parece um esgoto pestilento a céu aberto, essas “quintas” estão tão atulhadas de merda que esses artistas e os instrutores da liga já só têm o pescoço de fora.

Foi então que eu lhe disse:
- Ó Eliseu vamos lá então tratar da saúde daqueles gajos dos pijamas da cor-do-ranho…

O CD da Liga sabendo destas acções, montou uma caça ao Eliseu com a ajuda do Battaglia e do Brahimi, “dois castos” elevados a beatos, agora promovidos pela sua impunidade, a guardiões da comissão de disciplina.

Eliseu, acossado por uma corja de dementes frustrados e furibundos, arrancou na sua lambreta e a abrir, por montes e vales, refugiou-se no esconderijo dos Autênticos, mas está garantida a sua presença como defesa-esquerdo no próximo jogo Benfica-Portimonense, agendado para daqui a duas semanas.

Até lá resolvi construir mais bombas, desta vez a sério, para arrumar com aquela escumalha de saraivas e afins…
Filhos-da-puta de hipócritas! Praticam a perfídia e a canalhice, e não se calam!
Para quando os açaimes para aquela canzoada do cuspe e a aplicação daquela conhecida máxima, “olho por olho, dente por dente”?


GRÃO VASCO


25.8.17

Os “assassinos” de Eliseu



Uma nova onda de tentativas de "assassinatos" parece vir aí. Com toda a força.
Uma corja de sacanas e criminosos jornalísticos – em especial os recordistas de determinado pasquim afecto às lagartices – sustentados pela maior podridão do actual futebol indígena – o grémio do lagartêdo do fôsso – e pela escumalha que o dirige, tem vindo a actuar com o objectivo de “queimar” os atletas do Benfica em praça pública, mesmo aqueles que já foram transferidos, e bem transferidos para outros clubes além-fronteiras. Os exemplos são mais que muitos e desde Renato Sanches que esta orquestra de safardanas continua a tocar a mesma música – uma obsessão doentia a tudo o que diga respeito ao Glorioso Benfica.

Eliseu, um jogador leal, à Benfica e Benfiquista de coração, tem sido o alvo mais recente destas acções ignóbeis.
Se percorrermos com alguma atenção e paciência as folhas de jornais desportivos ou generalistas, os canais televisivos ou mesmo alguns programas radiofónicos lá estará a canzoada a ladrar, “aqui d’el rei, que o Eliseu fez, aconteceu, estripou ou esfolou!”.
Desde o anão bastardo cujo cérebro, por alguma deficiência congénita não é formado por circunvoluções mas sim por caracóis encharcados de brilhantina verde a tresandar a merda até a um “pipa” da cor-do-ranho que esgaravata uns gatafunhos num amontoado de folhas que já foram a referência jornalístico-desportiva deste país, existe uma bandidagem que tem o cuspe electrónico no topo das suas preferências e como referência ética e deontológica.
Eles aí estão com o focinho de fora do chafurdo, salivando como cães raivosos atirando-se às canelas do Eliseu!

Por mim, Eliseu, ao contrário daquilo que ele sensatamente evitou, aquando do lance no jogo Benfica-Belenenses, com o seu adversário Diogo Viana, pode pisar e espezinhar intencionalmente esta corja de filhos-da-puta. Se quiser uma ajudinha, eu próprio calçarei propositadamente as minhas botas de biqueira-de-aço, para escavacar aos piparotes esse bando de safardanas!

O que se passou com Eliseu e Diogo Viana não é mais do que um mero lance mais intenso num jogo de futebol, igualzinho a tantos outros. Só a fobia anti-Benfiquista, essa obsessão doentia que afecta irremediavelmente os incuráveis do lagartêdo é que os leva a ver “flagrantes delitos” e outros delírios demenciais em banalidades do futebol. E repito, simples banalidades, comparadas, por exemplo com as cotoveladas assassinas de um slimani ou com os coices mortíferos de um qualquer coates

Esta gajada do lagartêdo e afins, esta pandilha sem vergonha, está mesmo a pedi-las!


GRÃO VASCO


LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...